Sobe para quatro o número de casos de dengue contraídos no RS em 2019

O vírus da zika é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti — Foto: Pixabay/Divulgação.
Doença foi registrada nas cidades de Marau, Erval Seco, Panambi e Cândido Godói. Outros oito gaúchos pegaram a doença fora do estado.
A Secretaria Estadual de Saúde (SES) confirmou nesta sexta-feira (8) mais dois casos de dengue contraídos dentro do Rio Grande do Sul, nas cidades de Marau e Erval Seco, na Região Norte. No total, já são quatro casos autóctones registrados em 2019 no estado.

Outros dois casos já haviam sido registrados anteriormente na região, em Panambi e Cândido Godói. Além desses, considerando os casos importados, quando a doença é adquirida fora do estado, mais oito gaúchos pegaram dengue no ano.

A transmissão da dengue, zika e chikungunya ocorre pela picada da fêmea do Aedes aegypti. O mosquito tem hábitos diurnos e se alimenta de sangue humano principalmente ao amanhecer e ao entardecer.

A infestação por Aedes aegypti no Rio Grande do Sul passou de 62 municípios em 2010 para 320 atualmente, o que equivale a uma população de mais de 9,7 milhões de pessoas, ou 86% da população do estado.

Para se reproduzir, o inseto precisa de locais com água parada, onde ele deposita os ovos. O verão, com as altas temperaturas e o aumento das chuvas, é propício para a proliferação do mosquito.
Medidas de prevenção contra o mosquito
O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) reforça que o cuidado para evitar a proliferação do inseto passa pela eliminação desses possíveis criadouros. Por isso, é recomendado:
Tampar caixas d’água, tonéis e latões;
Guardar garrafas vazias viradas para baixo;
Guardar pneus sob abrigos;
Não acumular água nos pratos de vasos de plantas e enchê-los com areia;
Manter desentupidos ralos, canos, calhas, toldos e marquises;
Manter lixeiras fechadas;
Manter piscinas tratadas o ano inteiro.

Mapa divulgado antes dos dois novos casos de dengue confirmados nesta sexta(8). — Foto: Divulgação/SES.
Principais sintomas da dengue:
Febre alta (maior que 38,5°C), de início abrupto e que dura entre dois e sete dias;
Dores musculares intensas;
Dor ao movimentar os olhos;
Mal-estar;
Falta de apetite;
Dor de cabeça;
Manchas vermelhas no corpo;
Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados, oferecidos de forma integral e gratuita por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).
Fonte: G1

DEIXAR UM COMENTÁRIO

O comentário é de total responsabilidade de seu autor e está sujeito as leis que regem a utilização deste serviço online.